segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Na vitrola

Passado o súbito ataque de fúria, voltamos à nossa programação normal...

domingo, 8 de dezembro de 2013

Enfim, livres.

Tivesse sido digno o bastante para pedir demissão logo após a goleada sofrida diante da Lusa, no final de setembro, Tite teria um pouco mais do meu respeito neste momento. Porém, ao transformar sua despedida em algo pateticamente épico, como se sua passagem fosse o maior evento dos 103 anos de história do clube, o Adenor conseguiu, mesmo, foi o meu nojo. 

Se enxerga, né, rapaz?!...

A superexposição tem sido tamanha que, hoje, não suporto mais nem olhar para a cara desse babaca - perdoem-me os titetes, mas não conheço tratamento mais adequado para carolinha barbado que se refere a Deus como "papai do céu". 

Pois chame-O como quiser, mas vá com Ele, Tite. E, esteja onde estiver, fique por lá pelas próximas décadas, se possível; "até breve" é o caráleo!

Enfim, livres. Que venha Mano Menezes.